Disciplinas TICPE

“Educação e tecnologia: perspectivas críticas” (disciplina TICPE)

Ainda que cada um de nós, docentes na linha TICPE, tenha suas próprias tendências (preferências) teóricas e temáticas de maior interesse, compartilhamos um sentimento: uma profunda inquietação com relação a generalizações, universalizações e naturalizações. A partir disso, tentamos promover discussões mais aprofundadas acerca daquilo que nos vem sendo servido como “dado” (“realidade inescapável”?) não apenas nas mídias de massa, mas, infelizmente, também na própria literatura acadêmica da área: com base em uma crença na “neutralidade” da tecnologia, vista amplamente como “solução” (panaceia?) para uma educação dita “falida”, uma defesa dogmática (crença quase religiosa?) no poder dos artefatos digitais de “tornar o mundo um lugar melhor” (o slogan de preferência dos programadores no seriado Silicon Valley).

Em 2016.2, integramos alguns elementos de discussões que temos conduzido entre nós em uma disciplina que ministramos em equipe  (eu, Jaci e Márcio): uma Tópicos Especiais TICPE intitulada Educação e tecnologia: perspectivas críticas. Neste post, compartilho algumas de nossas ideias e o programa que seguimos no semestre que se encerra.

O objetivo geral da disciplina foi apresentar um panorama de questionamentos críticos pertinentes às discussões correntes sobre Educação e Tecnologia. Os objetivos específicos foram os seguintes:

Problematizar temáticas ligadas às TIC na Educação e ao campo da Tecnologia Educacional a partir de 3 eixos de discussão e análise: “ideologias”, “metáforas” e “discursos”;

Encorajar os participantes a rever criticamente suas premissas em relação à temática;

Promover a escrita reflexiva e em diálogo com os projetos de pesquisa dos participantes.

Ementa

Questões para pensar criticamente as TIC na Educação. Significados do termo “crítico”. Ideologias: sentidos de “ideologia”; “Evolução”, “progresso” e (pseudo-)revolução. Metáforas: da Educação, das TIC na Educação e da Tecnologia Educacional. Discursos: concepções de “discurso”; “discurso da inclusão”; “discurso da aprendizagem”; TIC nas políticas públicas educacionais em uma perspectiva discursiva.

A experiência girou em torno de 15 encontros semanais de 3 horas de duração, nos quais foram entremeados elementos de aulas dialógicas e expositivas, exigindo que os alunos conduzissem atividades preparatórias (leitura e escrita) antes de cada encontro. 

Dividimos o programa da disciplina em 4 unidades: (I) Introdução; (II) Ideologias; (III) Metáforas; (IV) Discursos. A introdução delimitou a área de discussão e convidou os alunos a adotarem uma postura, em geral, mais “desconfiada”, menos repleta de certezas e pré-concepções. As unidades subsequentes exploraram a Educação e Tecnologia a partir de conceitos básicos das abordagens teórico-metodológicas com as quais trabalhamos na linha: “ideologia”, “metáforas fundantes” e “discursos”.

Eis o esquema de trabalho do semestre:

AULA/DATA UNIDADE ATIVIDADES EM SALA ATIVIDADES PREPARATÓRIAS (para a semana seguinte) LEITURAS COMPLEMENTARES
Aula 1

25/08/16

I Introdução Apresentações

Apresentação dos professores e dos estudantes (pessoal e de projetos/interesses).

Apresentação da disciplina e da proposta de avaliação.

LEITURA E RESUMO

Rüdiger (2011), cap. 1 “A cibercultura e a polêmica sobre a cultura … na era das massas”
Aula 2

01/09/16

7 questões para pensar as TIC na Educação
Discussão de Selwyn (no prelo)
LEITURA E RESUMO

Rüdiger (2012), cap. 2 “Fáusticos, prometeicos e neomarxistas” e cap. 3 “O Ocidente e a técnica: estágios reflexivos do pensamento tecnológico”
Aula 3

08/09/2016

Exibição e discussão do filme “Mera coincidência
Aula 4 15/09/16 “Definições” básicas de educação e tecnologia
Discussão de Selwyn (2011)
LEITURA E RESUMO

Rüdiger (2011), cap. 5 “Cibercultura e a era da informação: Castells e a sociedade em rede”
Aula 5

22/09/16

Continuação da discussão iniciada na aula anterior (Selwyn, 2011)
Aula 6

29/09/16

II Ideologias Sentidos de “ideologia”

Discussão de Selwyn (2014)

 

LEITURA E RESUMO

  • Nobre (2014)
Aula 7

06/10/16

Sentidos de “crítica”
Discussão a partir de Nobre (2014)
LEITURA E RESUMO

Rüdiger (2011), cap.11 “A sagração da internet: cultura e tecnicismo em André Lemos”
Aula 8

13/10/16

“Evolução”, “progresso” e (pseudo-)revolução
Discussão de Barbrook e Cameron (1995/2000)
LEITURA E RESUMO

  • Calvino (2003) – trechos selecionados
  • Lemgruber (2009)
Aula 9

20/10/16

III Metáforas A metáfora como recurso epistemológico
Discussão de Calvino (2003) e Lemgruber (2009)
LEITURA E RESUMO

  • Sócrates/Platão -trechos
  • Comênio (1995) – trechos
  • Freire (1987) – trechos
Aula 10

27/10/16

Metáforas da Educação
O “mestre parteiro” (Sócrates); a sala de aula como tipografia (Comenius); a “educação bancária” (Freire) – discussão a partir dos trechos selecionados de Platão, Comênio e Freire.
LEITURA E RESUMO
  • Cruz (2007), “Introdução” e “Ciberespaço: la ‘alucinación consensual’ académica”
03/11/16 Aula cancelada
Aula 11

10/11/16

Metáforas da Tecnologia Educacional
Rede; Teia; Puzzle; Lego; Mosaico
(discussão a partir de imagens)
LEITURA E RESUMO

  • Barreto (2009a)
  • Barreto (2009b)
Lins (2011)
Aula 12

17/11/16

IV Discursos Discursos na Educação (1): o “discurso da inclusão”
Discussão de Barreto (2009a; 2009b)
LEITURA E RESUMO

  • Biesta (2013a)
  • Ball (2013)
Biesta (2013b)
Aula 13

24/11/16

Discursos na Educação (2): o “discurso da aprendizagem”
Discussão de Biesta (2013a) e Ball (2013)
LEITURA E RESUMO

  • Zuin (2010)
Aula 14

1/12/16

Discursos na Educação e Políticas Educacionais: “Tecnologias nas políticas”
Discussão de Zuin (2010)
Aula 15

8/12/16

FECHAMENTO DA DISCIPLINA
Discussão (com a participação do Prof. Alexandre Rosado) –  filme Snowden, de Oliver Stone

Veja abaixo os detalhes das leituras, bem como uma lista de leituras recomendadas que ainda estamos definindo – lembrando que as traduções dos capítulos de livros de Neil Selwyn estão compartilhadas aqui (SELWYN, 2011) e aqui (SELWYN, 2014), e o primeiro texto que utilizamos, também de Neil, será publicado em nosso e-book temático.

Para a discussão de metáforas da Educação e Tecnologia, utilizamos duas colagens projetadas em slides. A primeira colagem remete a metáforas discutidas por Lemgruber (2009):

slide-1

A segunda colagem remete a imagens recorrentes na tecnologia educacional, associadas, em particular, a Objetos de Aprendizagem (Wikipedia em inglês, pois tem uma seção que resume as críticas ao conceito) e Recursos Educacionais Abertos (REA):

slide-2

À luz de nossa experiência no semestre, temos várias ideias de modificações. A discussão de filmes, em particular, que temos feito em outras disciplinas, é algo que sempre gera muita controvérsia em nossas reuniões de linha, pois há muito material (de “clássicos” como MetrópolisBlade Runner, cuja integração em disciplina discutimos aqui, a produções recentes como as séries Black Mirror, Westworld e Silicon Valley – essa última, em particular, compõe um excelente contraponto com A Ideologia Californiana de Richard Barbrook). Durante as férias escolares, dedicaremos algum tempo à discussão da experiência de 2016.2, com vistas a aprimorar o programa e incluir a disciplina em nossa matriz curricular.

Bibliografia

BALL, S. Aprendizagem ao longo da vida, subjetividade e a sociedade totalmente pedagogizada. Educação, Porto Alegre, v. 36, n. 2, p. 144–155, 27 jun. 2013. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/12886/9446>. Acesso em: 22 ago 2016.

BARBROOK, R.; CAMERON, A. A Ideologia Californiana. (The Californian Ideology). Trad. disponível em: Cibercultura online. Arquivo de disciplina ministrada por F. Rudiger, UFRGS, 1995/2000. Disponível em: < http://cibercultura.fortunecity.ws/vol2/idcal.html >. Acesso em: 16 ago. 2016.

BARRETO, R. G. O discurso da inclusão. In:_____. Discursos, tecnologias, educação. Práticas de Linguagem. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2009a.

_____.  Para começo de conversa: texto, discurso(s), intertextualidade. In:_____. Discursos, tecnologias, educação – Pesquisa em educação. Práticas de Linguagem. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2009b.

BIESTA, G. Contra a aprendizagem: recuperando uma linguagem para a educação numa era da aprendizagem. In:_____. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013a. (Coleção Educação: Experiência e Sentido).

CALVINO, I. Cidades Invisíveis. Rio de Janeiro: Ed. Globo, 2003.

COMÊNIO, J. A Didactica Magna. Lisboa, Calouste Gulbenkian, 1995

FREIRE, P. A concepção «bancária» da ducação como instrumento da opressão. Seus pressupostos, sua crítica. In: ______.Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GIDDENS, A.; SUTTON, P. W. Ideologia. In:_____. Conceitos essenciais da Sociologia. Trad. Claudia Freire. São Paulo: Editora UNESP, 2015.

LEMGRUBER, M. Argumentação, metáforas e labirintos. Educação e Cultura Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 6, n. 13, p. 155-172, 2009.

NOBRE, M. A Teoria Crítica. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

PLATÃO. Teeteto. Versão eletrônica: < http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cv000068.pdf >. Tradução: Carlos Alberto Nunes. Acesso em 23 nov. 2016

SELWYN, N. Educação e tecnologia: questões críticas. In: FERREIRA, G. M. S.; ROSADO, A.; CARVALHO, J. S. (Org.) Educação e tecnologia: abordagens críticas. Rio de Janeiro: Universidade Estácio de Sá/Linha TICPE. No prelo.

SELWYN, N. Compreendendo a tecnologia educacional como ideologia. In: _____. Distrusting Educational Technology. Edição para Kindle. Londres: Routledge, 2014.  Tradução: Giselle Ferreira. Disponível em: < https://ticpe.files.wordpress.com/2016/12/neil_selwyn_distrusting_cap2_trad_pt_final.pdf >. 

SELWYN, N. O que entendemos por “educação” e “tecnologia?” In: _____. Education and Technology: key issues and debates. Edição para Kindle. Londres: Bloomsbury, 2011. Tradução: Giselle Ferreira. Disponível em: < https://ticpe.files.wordpress.com/2016/12/neil_selwyn_keyquestions_cap1_trad_pt_final1.pdf >

Bibliografia complementar (em expansão)

BIESTA, G. A educação e a questão do ser humano. In:_____. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013b.

BARRETO, R. G.; MAGALHÃES, L. K. C. Tecnologia singular, sentidos plurais. Instrumento, v. 13, n. 2, p. 11-22, 2011. Disponível em: < https://instrumento.ufjf.emnuvens.com.br/revistainstrumento/article/view/1596/1112 >. Acesso em 16 ago. 2016.

CRUZ, E. G. Las metáforas de internet. Barcelona: Editorial UOC, 2007.

CUBAN, L. Oversold and underused. Computers in the classroom. Cambridge; Londres: Harvard University Press, 2001.

LINS, M. J . S. C. Educação bancária: uma questão filosófica de aprendizagem. Educação e Cultura Contemporânea, v. 8, n. 16, 2011. Disponível em: < http://periodicos.estacio.br/index.php/reeduc/article/viewArticle/168 >. Acesso em: 16 ago. 2016.

RUDIGER, F. Teorias da Cibercultura. Perspectivas, questões e autores. Porto Alegre: Ed. Sulina, 2011.

 

 

 

“De Metrópolis a Matrix”: nova publicação da TICPE

Em meio às preparações do e-book volume 4, que lançamos ontem, não tive tempo de divulgar a publicação de um artigo que é especial para nós: “De Metrópolis à Matrix: arte e filosofia na formação de pesquisadores em educação“, publicado na revista Leitura: Teoria e PráticaO artigo é fruto do trabalho da linha em 2013-2014 (composta pelo Alexandre, Estrella, eu e Márcio, com a Profa. Lúcia dedicando poucas horas ao PPGE em preparação para a sua aposentadoria), quando reformulamos nossa disciplina obrigatória do mestrado.

O artigo é baseado em reflexões sobre a nossa primeira experiência com a disciplina, que, desde então, tem sido aperfeiçoada e adaptada continuamente, já que trabalhamos em esquema de team teaching nessa disciplina (e em outras, ocasionalmente).

Eis o resumo:

Este artigo discute a experiência em uma disciplina de mestrado conduzida segundo uma abordagem baseada na sensibilização estética, por meio de obras do cinema, da literatura e da filosofia, como forma de questionar o maniqueísmo fundamentado nos discursos utópicos e distópicos que se alternam nas mídias e na literatura acadêmica acerca das tecnologias na educação. Examinando extremos que desconsideram ambivalências e valorizando as experiências trazidas pelos alunos, a disciplina os estimulou a refletir sobre a Educação, a sociedade contemporânea e a presença das tecnologias. Participaram da primeira turma 18 alunos que, ao longo do semestre, propuseram um total de 295 questões. O artigo apresenta uma reflexão sobre a experiência e os achados decorrentes de uma análise temática dessas questões. Apesar da forte presença de perguntas binárias, analógicas, comparativas ou que essencializam objetos e instituições, a experiência sugere que a arte e a filosofia podem desafiar convicções assentadas, porém, acríticas.

Somos muito gratos a todos os alunos que participaram e muito nos ensinaram também!

Veja mais sobre a disciplina neste post e recomendações de recursos complementares neste.

Clique aqui para baixar o artigo.

Clique aqui para acessar página inicial da revista Leitura: Teoria e Prática.

Docência com as tecnologias: novos REA no Ateliê de Pesquisa

EdTech_tagcloud

Acabo de publicar no Ateliê de Pesquisa, o blog associado a este, um post sobre a disciplina Docência com as tecnologias: concepções, técnicas e artefatos, que estou ministrando neste semestre. Além desta nuvem de tags, estão lá disponibilizados vários recursos relativos à disciplina. Pensei em divulgar aqui uma pequena nota, pois pode ser de interesse a quem lê o Diálogos

Disciplina “Construção do conhecimento na Educação a Distância”

Estamos prestes a começar o semestre acadêmico, então aproveito que já estou por aqui tentando atualizar o site para divulgar a ementa e lista de leituras da disciplina que darei neste semestre, Construção do conhecimento na Educação a Distância.

Aos inscritos na disciplina 🙂  –  não se assustem com a variedade de livros listados! Utilizaremos apenas uma seleção de capítulos (mas, para quem estive planejando trabalhos relativos à EaD, isto seria apenas um começo!)

Construção do Conhecimento na Educação a Distância

Ementa: Perspectivas sobre a construção do conhecimento na e sobre a Educação a Distância (EaD): industrialização, globalização e a expansão da Educação; conceituações de EaD e seus contextos; modelos, abordagens teóricas e questões pedagógicas na EaD; EaD e qualidade; presença, distância e modelos organizacionais emergentes; novos papéis do professor e do aprendiz na construção do conhecimento em rede e na rede; Recursos Educacionais Abertos, Práticas Educacionais Abertas e EaD; a EaD como campo de pesquisa – questões teórico-metodológicas.

Referências básicas

ANDERSON, T.; DRON, J. Três gerações de pedagogia de Educação a Distância. Trad. João Mattar. EaD em Foco, v.2, n. 1, p. 119-134, 2012. Disponível em: <http://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/162/33>. Acesso em: 17 jan. 2014.

BELLONI, M. L. Educação a Distância. 5a ed. Campinas: Editora Autores Associados, 2009.

LEMGRUBER, M. S. Educação a distância: para além dos caixas eletrônicos. Revista SimproRio, Rio de Janeiro, n.2, p.42-49, jan. 2008. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/conferencia/documentos/marcio_lemgruber.pdf>. Acesso em: 17 fev. 2014.

LITTO, F.; FORMIGA, M. Educação a distância. O estado da arte. São Paulo: Pearson.

MILL, D., MACIEL, C. (Org.) Educação a distância. Elementos para pensar o ensino-aprendizagem contemporâneo. Cuiabá: EDUFMT, 2013.

MOORE, M. G; KEARSLEY, G. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Thomson, 2007.

PETERS, O. A Educação a Distância em transição. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, 2004.

PRETI, O. Educação a distância: sobre discursos e práticas. Brasília: Liber Livro, 2005.

RECUERO, R. A conversação em rede. Comunicação mediada pelo computador e redes sociais. Porto Alegre: Editora Meridional, 2012.

SERRA, A. R. C.; RIBEIRO, S.; PINTO, S. M. REA na Universidade Aberta do Brasil: limites e perspectivas. In: OKADA, A. (Org.) Recursos Educacionais Abertos e Redes Sociais. São Luís: EdUEMA, 2013. Disponível em: <http://oer.kmi.open.ac.uk/?wpdmact=process&did=MS5ob3RsaW5r>. Acesso em: 17 jan. 2014.

SILVA, M. PESCE, L.; ZUIN, A. (Org.). Educação online: cenário, formação e questões didático-metodológicas. Rio de Janeiro: Wak, 2010.

SOMMER, L. H. (Org.). Educação a distância e formação de professores: problemas, perspectivas e possibilidades. Dossiê temático. Em Aberto. Brasília, v. 23, n. 84, 2010. Disponível em: < http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/issue/view/117/showToc>. Acesso em: 17 fev. 2014.

VALLE, L.; BOHADANA, E. A EaD on-line e o mito da passividade. Inter-ação, v. 37, n.2, p. 255-266, 2012. Disponível em: < http://www.revistas.ufg.br/index.php/interacao/article/viewFile/20725/12423>. Acesso em: 17 jan. 2014.

Referências complementares

ALONSO, K. M. A expansão do Ensino Superior no Brasil e a EaD: dinâmicas e lugares. Educação e Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1319-1335, out.-dez. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/es/v31n113/14.pdf>. Acesso em: 17 fev. 2014.

BERTOLIN, J. C. G. Qualidade em Educação Superior: da diversidade de concepções à inexorável subjetividade conceitual. Avaliação, v. 14, n. 1, p. 127-149, 2009. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/aval/v14n1/a07v14n1.pdf>. Acesso em: 17 fev. 2014.

BRASIL. Referenciais de Qualidade para Educação Superior a Distância. Brasília: MEC, 2007. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/legislacao/refead1.pdf>. Acesso em: 17 fev. 2014.

LEMGRUBER, M. S. Educação a Distância: expansão, regulamentação e mediação docente. Revista Educação em foco. Juiz de Fora, v. 14, n. 1, p. 145-159, mar./ago. 2009. Disponível em: <http://www.ufjf.br/revistaedufoco/files/2010/09/Artigo-07-14.1.pdf>. Acesso em: 17 fev. 2014.

MUGNOL, M. Educação a distância no Brasil: conceitos e fundamentos. Diálogo Educacional, v.9, n.27, p. 335-349, maio/ago. 2009. Disponível em: <http://campus.educadium.com/avaeduc/file.php/1/Educacao_a_Distancia_no_Brasil.pdf>. Acesso em: 17 jan. 2014.

PETERS, O. Didática do Ensino a Distância. São Leopoldo: Ed. UNISINOS, 2001.

SCHLÜNZEN JUNIOR, K. Educação a distância no Brasil: caminhos, políticas e perspectivas. ETD – Educação Temática Digital. Campinas, v. 10, n. 2, p.16-36, 2009. Disponível em: < http://www.fae.unicamp.br/revista/index.php/etd/article/view/1953/1790>. Acesso em: 17 fev. 2014.

VALENTE, J. A.; ALMEIDA, M. E. B. de. (Org.). Formação de educadores a distância e integração de mídias. São Paulo: Avercamp, 2007.

VILARINHO, L. R. G.; BOHADANA, E. Contribuições de Paulo Freire para o uso de recursos informacionais na prática educativa. Educação e Cultura Contemporânea, v. 1, n. 1, p. 103-112, 2004.

 

Leituras recomendadas: Huxley, Orwell e Postman

Parte do trabalho que fazemos com os alunos da TICPE envolve a utilização de obras da Literatura e do Cinema que julgamos pertinentes a discussões sobre as relações entre Tecnologia e Educação. Dentre nossas recomendações, figuram, com especial destaque, os livros 1984, de George Orwell, e Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley. O contraponto entre os cenários imaginados por esses escritores ingleses abre um leque de possibilidades interessantes para pensarmos sobre o mundo atual, conforme sugerido por Neil Postman no prefácio de seu livro Amusing ourselves to death. Public Discourse in the Age of Show Business (edição original de 1985).

Mesmo tendo sido escrito bem antes da Web aparecer, o livro de Postman permanece bastante atual e, assim, figura em nossa lista de recomendações de leitura complementar (opcional, pois não parece haver nenhuma tradução para o português). A edição comemorativa de 20 anos de publicação da obra (Londres: Penguin, 2005) inclui uma introdução que discute a relevância continuada da crítica oferecida por Postman (que também têm críticos – mas isso é uma outra história…).

Compartilho abaixo uma tradução do prefácio – e recomendo fortemente a leitura dos livros!

Estávamos de olho em 1984. Quando o ano chegou e a profecia não se cumpriu, os norte-americanos (estadunidenses) sérios cantaram docemente em louvor a si mesmos. As raízes da democracia liberal se haviam sustentado. Onde quer que o terror houvesse se materializado, nós, pelo menos, não fôramos visitados pelos pesadelos de Orwell.

No entanto, havíamos esquecido que, ao lado da visão sombria de Orwell, havia outra – mais velha, ligeiramente menos conhecida, igualmente deprimente: o Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley. Em oposição à crença generalizada até mesmo dentre os mais cultos, Huxley e Orwell não profetizaram a mesma coisa. Orwell avisa que seremos subjugados por uma opressão externamente imposta. Na visão de Huxley, porém, nenhum Grande Irmão é necessário para privar as pessoas de sua autonomia, maturidade e história. Segundo ele, as pessoas virão a amar sua opressão, a adorar as tecnologias que destroem suas capacidades de pensar.

Orwell temia aqueles que banissem os livros. Huxley temia que não houvesse motivos para se banir os livros, pois não haveria quem os quisesse ler. Orwell temia aqueles que nos privassem de informação. Huxley temia aqueles que nos dessem tanta informação que ficaríamos reduzidos à passividade e ao egoísmo. Orwell temia que a verdade nos fosse ocultada. Huxley temia que a verdade se afogasse em um mar de irrelevância. Orwell temia que nos tornássemos uma cultura cativa. Huxley temia que nos tornássemos uma cultura trivial, preocupada com algum equivalente do CinemaSensível, do Orgião-espadão e da Balatela Centrífuga. Conforme Huxley observou em Admirável Mundo Novo, os libertários e racionalistas civis que estão para sempre em alerta para opor a tirania “fracassaram ao ignorar o apetite quase infinito do homem por distrações”. Em 1984, Huxley complementou, o homem é controlado por meio da dor. No Admirável Mundo Novo, o controle é por meio do prazer. Em suma, Orwell temia que aquilo que detestamos nos arruinará. Huxley temia que aquilo que amamos nos arruinará.

Este livro é sobre a possiblidade de que Huxley, não Orwell, estava certo.

POSTMAN, N. Amusing ourselves to death. (p. xix-xx). Londres: Penguin, 2005.

Compartilhamento de versão em português de texto crítico sobre REA

Estou compartilhando no post a seguir uma versão em português do texto Five Critiques of  the Open Educational Resources Movement, escrito pelo colega Jeremy Knox, da Universidade de Edimburgo, Escócia. A versão que será disponibilizada (no próprio corpo do post e em um arquivo pdf) é baseada no texto publicado no blog de Jeremy, Technology. Culture. Learning, em março de 2012. Esse texto foi subsequentemente submetido à avaliação por pares e publicado, após um processo de revisão e edição, na revista Teaching in Higher Education (DOI:10.1080/13562517.2013.774354 – mas noto que não se trata de uma publicação open access, então, no Brasil, é necessário acessá-la, de uma rede institucional, através do Portal de Periódicos da CAPES). 

Já disse em um post anterior que não acredito em traduções, mas “que las hay, las hay”, e é nesse espírito que produzi a versão em português. Esta versão foi feita combinando a parte da tradução que fui capaz de completar  no tempo disponível 😦 e a tradução de Mirian Maia do Amaral, doutoranda da TICPE orientada pelo Prof. Márcio Lemgruber e integrante do grupo que está estudando a disciplina REA. Utilizamos o texto em sala, conforme meu plano original de trazê-lo como última referência a ser estudada na disciplina, pois trata-se de material complexo, que demanda algum trabalho preparatório e é de difícil compreensão para quem não é fluente no idioma. Sou muito grata à Mirian pelo esforço em produzir o material que, de fato, possibilitou a discussão no grupo. Compartilho aqui uma versão refinada, mas, certamente, com idiosincrasias e imperfeições (ainda não entrei em acordo com as modificações do Novo Acordo Ortográfico…).

O texto de Jeremy é, para mim, uma contribuição importante para os estudos acerca da relação entre a tecnologia e a educação, no geral, e para REA, mais especificamente. Assim, convido os leitores a apontar problemas (e, de preferência, também proporem soluções!), comentar sobre o texto, enfim, dialogar conosco. 

Por fim, agradeço imensamente a Jeremy por ter aceito meu convite para disseminar seu trabalho em outro idioma! 

Clique aqui para ver o texto original.